Arquivo da categoria: Publicidade

Confissões de uma publicitária

Trollada da LG nos elevadores

Para promover a qualidade da imagem dos seus novos monitores com tecnologia IPS, a LG resolveu criar uma experiência assustadora num elevador. O piso foi totalmente substituído pelas telas e um sistema de som completava o clima. Assim que a pessoa acionava o elevador, o chão começava literalmente a cair aos pedaços…

Confira toda a ação e a reação das pessoas:

fonte:Comunicadores

Anúncios

Mais um viral punido pelo Conar

Pela segunda vez em menos de dez dias, o Conar optou por pedir a alteração de um filme viral. Desta vez, a Vivo foi o anunciante penalizado. Isso porque um filme, protagonizado por bonecos em 3D, sugeria que o espectador o compartilhasse, promovendo sua viralização. Numa das abordagens, sugeria-se que quem não o fizesse não possuía amigos. Na avaliação do órgão, a empresa não pode julgar o consumidor por ele optar em não divulgar o material ou por não possuir um produto.

A decisão se soma a outra, semelhante, em que um viral da Trident sofreu sanção – naquele caso, por não deixar claro se tratar de um filme publicitário . Tramita no órgão, ainda, processo acerca do recente case “Perdi meu amor na balada”, da Nokia, que vem sendo alvo de duras críticas . O resultado, porém, pode levar até 30 dias para sair.

Além da Vivo, A Coca-Cola e outros oito anunciantes foram submetidos à apreciação do conselho de ética. A marca de refrigerantes teve um comercial punido com pedido de alteração. Ele replica o conceito “Quanto mais zero melhor”, criado pela Ogilvy para a Coca-Cola Zero e, numa das cenas, mostra um carro fazendo manobra brusca e arriscada em ambiente urbano (assista abaixo). O Conar considerou que a peça sugere um comportamento perigoso e pediu que o anunciante altere este excerto.

Na mesma reunião, realizada na manhã da quarta-feira 25, a escola de inglês Open English foi alvo de cerca de 60 reclamações de consumidores indignados com o aparente desrespeito à imagem das professoras brasileiras.

Em filme que defendia o aprendizado via internet com profissionais que têm o inglês como sua língua nativa, a empresa exibia uma suposta sala de aula no Brasil, comandada por uma professora obesa que aprendera inglês em Buenos Aires. Por unanimidade, os conselheiros votaram pela sustação da campanha – que, porém, já havia sido retirada do ar pelo anunciante.

Reclamações
Outro dos dez casos julgados foi o comercial de Fiat Siena que brincava com a linguagem dos comerciais de margarina (assista abaixo). A peça sofreu sanção em segunda instância e terá de ser alterado após reclamação da Bunge, fabricante de margarina, que alegava que o recurso criativo largamente usado por seu segmento foi usado – e ridicularizado – para promover o novo veículo.

A L’Oréal, por sua vez, acionou a Unilever por uma peça de uma campanha para internet de Seda. A marca anunciava que, graças ao produto Keratinology, o efeito obtido em salões de beleza seria prolongado.

Na avaliação dos conselheiros do Conar, não havia prova de que a afirmação fosse verdadeira – e optou-se, unanimemente, pela alteração da peça e consequente remoção da frase. Vale ressaltar o investimento que a L’Oréal vem fazendo em suas marcas voltadas a profissionais de beleza, como Professionnel, Redken e Matrix.

A sustentabilidade e o papel da publicidade

No dia 19 de julho a Milena Seabra publicou na Meio & Mensagem um texto sobre a sustentabilidade relacionada com publicidade, e o nosso papel nela.

“Mais uma vez o Festival de Cannes mostrou que não será mais o mesmo.

Com um espaço cada vez maior para palestras e apresentações, que eram disputadas pelos mais diversos profissionais do mercado da comunicação, o Festival esse ano trouxe uma grande reflexão sobre como nosso mercado pode assumir sua responsabilidade na construção de um mundo melhor, mais equilibrado, mais sustentável.

Hoje lideranças de todo o mundo, sejam empresariais ou governamentais, chamam a atenção para projetos de responsabilidade socioambientais e causas com o propósito de mudar o mundo e a publicidade, considerada tão importante no processo de construção e consolidação de tantas marcas. É justamente por isso que a publicidade não pode ficar de fora dessa discussão e precisa assumir seu papel que é cada vez mais importante nesse mundo em transformação.

Segundo Stig Carlson, ex-diretor geral da Associação Europeia das Agências de Comunicação, a publicidade não muda valores nem cria valores novos, mas tem grande habilidade para detectar novos valores entre os consumidores e refleti-los na forma de soluções de criação.

O que quero dizer é que a publicidade pode e deve fazer o que sempre fez: usar seu talento na arte de envolver, criar valor e atrair o consumidor, pois é uma das molas propulsoras da economia. Mas ela pode ir além, pode atuar de forma transformadora na mobilização da sociedade para a construção de um mundo melhor.

Esse convite ocorreu de uma forma efetiva esse ano em Cannes principalmente na palestra do ex-presidente Bill Clinton, que convocou a indústria da comunicação a ajudar na construção de um mundo melhor e reforçou que os profissionais da comunicação têm uma profunda influência sobre como o mundo ficará dentro de 20 a 30 anos e foi reforçado nas apresentações do filósofo Alain de Botton e de Keith Weed, da Unilever.

O fato é que essa responsabilidade assumida pela indústria da comunicação somente poderá gerar frutos com engajamento de todos os envolvidos, a publicidade, a mídia e os anunciantes.

A própria ABAP criou, com a contribuição de diversas entidades, os indicadores de sustentabilidade da comunicação, avançando alguns passos nessa direção. Segundo a ABAP, sustentabilidade é uma questão de consciência: “para comunicar bem, as agências de publicidade precisam que os clientes façam bem – é uma interação que sempre existiu e que poderá ser aprimorada mais ainda em favor das empresas envolvidas e de toda a sociedade”.

Parece que estamos no caminho. Que esse chamamento ocorrido em Cannes desperte uma grande reflexão em toda nossa indústria para que esse papel transformador seja de fato assumido e que possamos participar da construção desse tão sonhado mundo sustentável. “

O mundo se encontra no Brasil. Venha celebrar a vida!

A Embratur lançou a nova campanha institucional que promoverá o Brasil como destino turístico para o mundo em evento realizado em Londres nesta quarta-feira, 25.

O comercial tem cenas curiosas e mostra pessoas chegando ao País de diversas maneiras, inclusive asa-delta e balão. A peça não cita os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, mas a relação è evidente, graças à exibição de pessoas praticando esportes. A mensagem escolhida é “O mundo se encontra no Brasil. Venha celebrar a vida”. O comercial defende a diversidade da natureza, o estilo de vida dos brasileiros, e o fato de pessoas de diferentes origens conviverem em harmonia. “Você vai descobrir um país jovem, moderno e sensacional assim que chegar aqui” (confira comercial abaixo).

Dilma Rousseff, presidente da República, esteve presente no lançamento da ação, ocorrido no London Film Museum, espaço próximo à roda-gigante e ponto turístico London Eye. Também estiveram no local políticos e dirigentes esportivos, como Hortência Marcari.

Um show da robótica Saatchi & Saatchi

No Festival de Cannes esse ano, a Saatchi & Saatchi promoveu uma apresentação diferente no painel New Directors’ Showcase. Com 16 robôs voadores (quadrotors), uma exibição futurista de luz e som resultou numa mistura de “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” com Daft Punk.

O mundo do entretenimento tá ficando assim: hologramas de artistas mortos e apresentações robóticas.

Tango, futebol e cultura

Boca Juniors e Corinthians começam na noite desta quarta-feira, 27, a disputa pelo título da 53ª edição da Copa Santander Libertadores, mas a luta parece ter começado um pouco antes.

Comercial da Africa esquenta clima da decisão da Libertadores

Em campanha da Africa para a Brahma, patrocinadora do clube paulista, o Corinthians surge como o “loco” que enfrenta o “boca”, com imagens de um casal dançando tango intercaladas com as da torcida no estádio do Pacaembu e com palavras como “Brasil”, “orgulloso brasileño”, “tradición”.
Ao final, a mensagem “O baile vai começar e o nosso tango é muy loco”, com a divulgação da hashtag #tangoloco. A trilha do comercial é uma versão em espanhol do hino do clube paulista.

Com o toque brasileiro de provocação, humor, e rivalidades que seguem por gerações…

“Durante anos o Corinthians esperou por esse dia. O dia em que o Timão iria disputar o título mais cobiçado: o de Campeão da Libertadores da América. Chegou a hora desse bando de loucos fazer o que sabe melhor: torcer. E como pro Corinthians tudo é mais suado, nada melhor do que a final ser um dos maiores clássicos da América.
Perdón hermanos, pero acá hay un tango de locos.
Vamo, vamo, timão!
Brahma. Patrocinador oficial do Corinthians.”

A verdade por trás das fotos maravilhosas dos lanches do McDonald’s

Quem nunca reclamou da ENORME diferença entre as propagandas dos lanches do McDonald’s e seus REAIS tamanhos.

Para os milhares de amantes dos lanches do McDonald´s, pouco importa se o sanduíche entregue pelo atendente é exatamente igual ao que estava descrito na imagem. Entretanto, muitas pessoas ainda se incomodam com esse fato ( e eu sou uma delas) , o que levou a rede a lançar no Canadá a campanha “Our Food, Your Questions” ou “Nossa comida, suas questões” (em tradução livre).

Queijo recebe retoques antes e depois no tratamento das imagens

A rede produziu um vídeo em que leva o lanche que saiu diretamente de um restaurante, para um estúdio fotográfico, onde são feitas as imagens para as ações publicitárias da marca, especialmente em ponto de venda. O resultado mostra que realmente há um incremento no cuidado estético com o produto que será fotografado, como retoques na textura do queijo, mas que os ingredientes são os mesmos. O vídeo está há alguns dias no YouTube e já foi visto por mais de cinco milhões de pessoas.

CLARO que eles deixaram muitos detalhes de lado, não é tão simples assim. Mas a ideia era mostrar transparência com os consumidores (apesar de que, agora, acho que as pessoas vão se sentir mais enganadas ainda).